sábado, 27 de setembro de 2014

Educação

Há tempos venho batendo aqui, na tecla da diferença entre a educação de antigamente e a educação moderna.
Sem nenhum medo de parecer pretenciosa, vou reverenciar minha nora (principalmente) e meu filho, pela forma como estão educando a Alice e o Bento.
Ambos tem um tempo muito curto e sobra pouco se formos analisar pelo relógio. Trabalhar com mídia, seja ela qual for, estar a disposição de clientes e buscar a perfeição realmente é uma coisa que consome demais.
Entretanto, a política em casa deles é a da total disponibilidade para as crianças quando se pode estar com elas.
E com essa atitude, eles conseguem o entendimento de que as vezes não é possivel estar com eles devido a compromissos mas que vale a pena esperar pela chegada.
Bento dançando street com a Alice numa dessas horas em que a casa é toda deles e Bento esperando acabar a aula de natação da irmã

São exemplos de que se você tiver paciência e explicar cada situação, essas crianças de hoje têm cabeça para entender. Perguntei pra ele o que estava fazendo e a resposta foi "Esperando a Alice", ele poderia ter dito brincando com o pianinho mas a consciência de que era a hora dele de esperar a irmã está presente assim como para ela esperar por ele.
Binho tem 2 anos, Licinha tem 5, fazem birra, fazem manha, como qualquer criança mas nestas horas não ouvem gritos (então não se acostumam a gritar). Apenas calmamente alguem responde "não estou gostando da sua atitude" ou alguma coisa pelo estilo e aí termina a graça de tentar ser o centro das atenções.

Tenho muito orgulho da batalha dos dois. André e Rosana são meus exemplos de hoje.